Reinaldo estuda a criação de programas para produtores rurais de Sidrolândia


Jéssika Machado Categorias: Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul 268 visualizações

Campo Grande (MS) – O governador do Estado, Reinaldo Azambuja, participou na manhã desta terça-feira (10) de uma reunião com representantes de nove associações de produtores rurais assentados e acampados do município de Sidrolândia.

Acompanhado do secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, do Secretário de Estado de Produção e Agricultura Familiar, Fernando Lamas e do diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), Enelvo Felini, o governador recebeu as solicitações dos produtores e tomou conhecimento da atual situação das famílias que hoje estão acampadas às margens da rodovia BR-060, próximo à Sidrolândia.

Segundo o Secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, as principais necessidades dessas famílias assentadas hoje são água, energia elétrica e recuperação das estradas vicinais que atendem os produtores da região. Já as famílias de acampados na rodovia BR-060, as principais necessidades são o apoio do Governo do Estado para a liberação de terras destinadas pelo Incra às famílias sem-terra, além de estrutura para a produção rural e o envio de cestas básicas para os acampados.

Para o governador Reinaldo Azambuja, para poder solucionar esses problemas, é preciso dividir as questões entre os acampados e os assentados. Segundo ele, o governo estuda a criação de programas para atender especificamente os assentados. “Estamos criando programas específicos para auxiliar os assentados nas questões de melhoria da terra para produção, estradas, energia elétrica e água”, afirmou.

Ainda segundo o governador, para poder atender a questão dos acampados, o governo vai se reunir com o diretor do Incra no Estado para ver quais são os programas que serão destinados para Mato Grosso do Sul em 216 e 2016. “Vamos chamar o Incra para uma reunião, ver quais são os projetos do governo federal para o Estado e oferecer os estudos de impacto ambiental para acelerar a liberação de terra para as famílias de acampados”, finalizou.

Leandro Silva – Subsecom.