Governo do Estado reduz pela metade despesas com manutenção de veículos


Edmir Conceição dos Santos Categorias: Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul 250 visualizações

Em 36 meses, com plataforma de leilão reverso, Estado deixou de gastar R$ 5,2 milhões em oficinas mecânicas para reparos e troca de peças de veículos oficiais.

Campo Grande (MS) – A adoção do sistema de leilão reverso na contratação de serviços de reparos e substituição de peças de veículos e máquinas está garantindo redução de 50% nas despesas do Governo do Estado com a manutenção da frota oficial.

De acordo com a Secretaria de Administração e Desburocratização (SAD), o leilão reverso evitou, em 36 meses (de janeiro de 2015 a dezembro de 2017) gastos de R$ 5,2 milhões em oficinas mecânicas. “No processo convencional o custo com a manutenção da frota oficial seria o dobro do que foi gasto até agora”, destaca o secretário de Administração, Carlos Alberto de Assis.

Diferentemente do que ocorre em leilões tradicionais, quando compradores competem para adquirir algum bem ou serviço por meio de lances, no leilão reverso, os vendedores é que competem, oferecendo custos menores para prestar seus serviços.

Viaturas da Segurança Pública são as que mais demandam serviços de reparos, manutenção e troca de peças. Foto: Chico Ribeiro

A SAD tem aproximadamente 300 oficinas cadastradas nessa nova plataforma de tomada de preços adotada pelo Governo do Estado. “Esse sistema dá mais opção de fornecedores e prestadores de serviço, diminui prazos, dá maior transparência e reduz os custos pela metade”, afirma Assis.

Os pré-requisitos básicos para a concorrência são menor preço, qualidade do serviço e menor prazo de entrega. A tomada de preços é monitorada e acompanhada em tempo real por todas as partes, inclusive auditores.

De acordo com o superintendente de Patrimônio e Transporte da SAD, José Alberto Furlan, a frota oficial é composta de 4,6 mil veículos, distribuídos nos 79 municípios de Mato Grosso do Sul.

Quando há necessidade de reparo, substituição de peça ou manutenção, o sistema de gerenciamento de frota é acionado pelo gestor do órgão interessado. A partir de um orçamento base, a plataforma passa a receber das oficinas cadastradas as ofertas de prestação do serviço pretendido.

“A economia é linear, seja com uma simples troca de pastilha de freio ou um serviço mais complexo como revisão de cambio”, observa Furlan. Segundo ele, o processo de contratação do serviço leva de 24h a cinco dias, no máximo. 

Contenção de gastos

No ano passado o Governo deixou de gastar R$ 1.796 milhão com manutenção. Em 2015, a economia foi de R$ 1,755 milhão e, em 2016, chegou a R$ 1,679 milhão.

Segundo a SAD, além da redução no custo com a manutenção da frota oficial, o Governo do Estado reduziu em 20% os contratos de compras e serviços permanentes. As mudanças no sistema de transporte de servidores também contribuíram para a redução dos gastos com o custeio da máquina administrativa.

Com o corte dos ônibus que circulavam praticamente vazios, em rotas que não atendiam a locomoção dos servidores, o Governo do Estado deixou de gastar R$ 3,8 milhões/ano. Já pelo pregão eletrônico, que inclui a compra de kit escolar, espelhos de carteira de identidade e insumos hospitalares (oxigênio) por exemplo, o Estado deixou de gastar R$ 850 milhões a partir das mudanças no sistema de compras governamentais.

A plataforma de leilão reverso cobre, além dos veículos, a manutenção de motocicletas, caminhões, carretas, motores de popa, embarcações, e equipamentos como os desencarceradores, auto escada mecânica, motosserras e geradores.

Edmir Conceição – Subsecretaria de Comunicação (Subcom) e Mireli Obando – Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD)

Foto capa: João Garrigó